Início » Anuncios » Será que é só cansaço?

Será que é só cansaço?

Se o esgotamento físico e mental for incessante, é preciso investigar se não é sintoma de alguma doença

O ritmo agitado e apressado que a vida nas grandes cidades impõe, com diversas coisas sendo feitas ao mesmo tempo, faz com que o cansaço domine o corpo no final do dia, às vezes próximo ao esgotamento físico e mental. Mas nem sempre essa fadiga significa apenas a necessidade de relaxar. Se o cansaço for incessante é preciso investigar se não é sintoma de alguma doença que também provoca esse tipo de sensação.
Anemia

A sensação de fadiga pode estar ligada a essa doença, que nada mais é do que a diminuição da hemoglobina, responsável pelo transporte de oxigênio e nutrientes pelo corpo. “Quem tem anemia acaba transportando menos substâncias, o que não é aceito pelo organismo. O coração exige mais trabalho, levando ao fracasso dos músculos”, esclarece o nutrólogo José Alves Lara Neto, vice-presidente da Associação Brasileira de Nutrologia. Com tratamento, a fadiga desaparece.

 

Alergia ao glúten

Segundo o nutrólogo, quem possui essa alergia sente-se sem energia para nada. Isso acontece porque a glutenina, proteína formadora do glúten, provoca uma irritação no intestino, diminuindo a absorção de outras substâncias. Por isso, é importante identificar rápido o problema.

 

Depressão

A extrema falta de energia e vontade é um dos principais sintomas da doença, que também incluem queda de concentração, alterações do apetite e sono e pensamentos negativos constantes. Depressão é coisa séria e exige tratamento adequado, que envolve terapia e uso de medicação. Em geral, a fadiga melhora com o uso de antidepressivos.

 

Diabetes

Como explica o endocrinologista César Hayashida, o diabetes causa desequilíbrio no metabolismo e, quando mal controlada, também provoca cansaço. “Existe a deficiência relativa ou absoluta de insulina, então o metabolismo de nutrição não é feito de maneira adequada. Assim, há perda de liquido e desidratação”, relata. Esse desarranjo é o grande responsável pela fadiga em portadores do distúrbio. Com o controle da doença, entretanto, a fadiga tende a melhorar consideravelmente.

 

Fibromialgia

Também conhecida como Síndrome da Fadiga Crônica (SFC) é um mal sem causa identificada, comumente associada à fibromialgia, onde o quadro de cansaço não melhora nem com o descanso. “Pode acontecer de o paciente ter as duas doenças”, conta o reumatologista Roberto Heymann. Se esse quadro persistir por três meses, é importante procurar um reumatologista, que saberá diagnosticar. “Ao contrário de doenças virais ou autoimunes, nenhum dos dois distúrbios causa fadiga muscular, mas sim a falta de energia”, enfatiza o especialista.

 

Distúrbios da tireóide

Embora sejam dois distúrbios extremos, tanto o hipotireoidismo quanto o hipertireoidismo podem causar fadiga, ainda que não da mesma forma. No caso do hipertireoidismo, o doente tem o metabolismo acelerado, levando o corpo a um esforço desnecessário. Assim, mesmo sem qualquer atividade física, seu coração baterá mais acelerado. Já no hipotireoidismo, acontece o contrário. “Como também há alteração no funcionamento do coração, a pessoa fica cansada sem fazer esforço”, conta o endocrinologista César Hayashida. É como se tudo ficasse mais lento, até mesmo o cérebro, dificultando a execução de tarefas.

 

Doenças cardíacas

Quando o coração está fraco ou dilatado, não bombeia o sangue com eficiência, causando a fadiga, que é o primeiro sintoma de inúmeras doenças cardíacas: angina, infarto agudo do miocárdio, pós-infarto, artérias entupidas, pressão alta, insuficiência cardíaca, arritmia, doenças valvulares, fibrilação atrial, entre outras. “O sangue chega muito devagar em todas as partes do organismo, inclusive no cérebro, o que favorece o aparecimento do Alzheimer”, alerta o cardiologista João Vicente da Silveira. Daí a importância do check-up, principalmente a partir dos 40 anos.

 

Apneia do sono

O distúrbio é caracterizado pelo fechamento repetitivo da passagem do ar pela garganta durante o sono, podendo interromper a respiração por até 40 segundos. Essas pequenas paradas fazem com que o indivíduo acorde durante a noite, interrompendo o sono. “Fadiga, falta de concentração, alteração de humor e perda de memória e libido são sintomas comuns de quem sofre de apneia”, conta o neurologista Shigueo Yonekura. Para detectar o problema, é necessário procurar ajuda médica, pois apenas exames em um laboratório de sono podem indicar o distúrbio.

 

http://www.jornaldaorla.com.br/noticias

Resposta

Seu email não será publicado.Campo obrigatório *

*

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com